Buscar
  • ForBeer

O mapa da cerveja no Brasil


Em 2021, o número de estabelecimentos produtores de cerveja registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) atingiu a marca de 1.549, o que representa um aumento de 12,0% em relação ao ano anterior, quando havia 1.383 cervejarias registradas. Em 2021, foram registradas 200 novas cervejarias e outras 34 cancelaram seus registros, o que corresponde a um aumento líquido de 166 cervejarias em relação ao ano anterior. Os números constam do Anuário da Cerveja 2021 - estatísticas do setor cervejeiro no Brasil - divulgado na quarta-feira (31), durante o evento "Confraria Sindicerv: Números do Setor", realizado pelo Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja (Sindicerv), em parceria com o Mapa, em São Paulo.

A maior parte das cervejarias brasileiras permanece altamente concentrada nas regiões Sul e Sudeste: neste ano, 1.329 cervejarias, que representam 85,8% do total no país, se encontram distribuídos nessas regiões, enquanto temos na região Nordeste 7,2% das cervejarias, 5,1% na região Centro-Oeste e 1,9% na região Norte. Ademais, conforme os autores do estudo, observa-se um leve aumento na concentração em relação ao ano anterior, confirmando a tendência crescente já observada em anos anteriores. Em 2017, 83,4% de todas as cervejarias brasileiras se encontravam no eixo Sul/Sudeste, passando para 83,7% em 2018, 85,3% em 2019 e 85,6% em 2020.

Entre as 10 Unidades da Federação com o maior número de cervejarias registradas, as sete primeiras posições são ocupadas pelos estados que compõem as regiões Sul e Sudeste. Seguindo a tendência observada nos anos anteriores, novamente São Paulo lidera em número de estabelecimentos registrados, com 340 cervejarias, seguido novamente de RS com 285, e pela primeira vez desde o início da série histórica, vemos SC ocupar a terceira posição, com 195 cervejarias registradas. Ainda, nesse ano observa-se um aumento na diferença do número de cervejarias entre os estados ranqueados nas primeiras posições em relação aos anos anteriores. São Paulo observou um aumento líquido de 55 cervejarias, o que equivale em média a uma nova fábrica registrada por semana no estado, o dobro do crescimento ocorrido no Rio Grande do Sul, que foi de 27 cervejarias. A diferença entre SP e RS, que era de 27 cervejarias no ano passado, agora é de 55; já de SC (3º colocado) para MG (4º colocado), nota-se que, além da inversão de posições - já que no ano anterior MG estava na terceira posição com 178, e SC na quarta posição com 175 -, a diferença passou a ser de 6 cervejarias.

Em termos relativos, observa-se que o maior aumento percentual no número de cervejarias ocorreu na região Norte do país, onde a abertura de 5 novas fábricas representou um aumento de 20,8% em relação ao ano anterior. Esse aumento foi impulsionado pela abertura de duas novas cervejarias em Rondônia - representando um aumento de 200% para esse estado em relação a 2020 - e de uma nova cervejaria no Acre - representando um aumento de 100% para esse estado em relação a 2020. Piauí novamente se destacou entre os estados com maior aumento relativo no número de cervejarias - o estado observou um aumento de 66,7% com a abertura de duas novas fábricas. Sergipe e Tocantins tiveram ambos um aumento de 33,3%, chegando ambos a 4 cervejarias registradas, o que os coloca empatados com Amazonas na 18ª posição.

Apenas dois estados tiveram redução líquida no número de cervejarias em relação a 2020, o Rio Grande do Norte e o Amazonas. No caso do Rio Grande do Norte, apesar da abertura de duas novas cervejarias, o fechamento de 3 fábricas provocou uma variação relativa de -5% no número total de estabelecimentos registrados. Com esse resultado, RN agora encontra-se empatado na décima posição com o Ceará, onde se observou um aumento de 11,1% no número de cervejarias devido à abertura de 3 novas fábricas e fechamento de apenas uma cervejaria.

Assim como o Rio Grande do Norte, o Rio Grande do Sul teve 4 cancelamentos de registro de cervejarias, o que, combinado com a diminuição do ritmo de abertura de novas fábricas em relação aos anos anteriores, ajuda a explicar o aumento da vantagem de São Paulo em relação ao RS - em 2019, São Paulo ultrapassou o Rio Grande do Sul no número de cervejarias registradas, após liderança do RS nos levantamentos dos anos anteriores.


O crescimento mostra uma pequena desaceleração visto que de 2019 para 2020 o número de estabelecimentos aumentou em 14,4% e de 2020 para 2021 aumentou em 12,0%.

Em relação ao histórico dos últimos 20 anos, o maior aumento de estabelecimentos registrados se deu em 2016, quando passou de 332 estabelecimentos para 493, o que representou um crescimento de 48,5%.

O crescimento observado em 2021 ocupa a 16ª posição na série histórica observada no gráfico. Tal desaceleração pode ser explicada pelo grande crescimento do setor observado no período estudado, já acumulado em 3.678,0%.

As projeções de crescimento do anuário apontavam o número de cervejarias em 2021 para 1712 e vemos um arrefecimento do crescimento com 1549 cervejarias registradas.


Em 2021, São Paulo segue sendo a Unidade da Federação com maior número de estabelecimentos registrados, com a marca de 340 cervejarias, posição que já ocupava em 2020. São Paulo também se destaca como sendo a Unidade da Federação com maior aumento de estabelecimentos em relação ao ano anterior, apresentando um aumento de 55 cervejarias quando comparado com 2020.

As únicas Unidades da Federação que se mantiveram com o mesmo número de cervejarias foram: Pernambuco, Mato Grosso do Sul, Alagoas, Amapá e Roraima. Apenas duas Unidades da Federação apresentaram diminuição do número de estabelecimentos registrados de 2020 para 2021:

  • O Amazonas reduziu de 5 para 4 estabelecimentos.

  • O Rio Grande do Norte reduziu de 20 para 19 estabelecimentos


A tabela apresenta o número de cervejarias por Unidade da Federação e seu crescimento médio ao longo dos últimos cinco anos, dentre as quais o destaque é o Espírito Santo, com crescimento médio anual de 53,5% no período.

Embora o Rio Grande do Norte tenha tido um decréscimo de 5%, diminuindo de 20 para 19 cervejarias, ainda assim apresenta um crescimento médio anual de 41,8% no período estudado.

Entre as dez primeiras unidades federativas com maior número de cervejarias, Goiás é aquela com menor crescimento médio anual, apresentando o valor de 13,7%.


Fonte: Revista Beer Art / Notícias RSS

41 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo